Na torre da igreja, num muro qualquer
Em algum galinheiro, terreiro mulher
O galo é seresta, ele é seresteiro
É relógio é alarme escondido num puleiro
Ê Ê paracatum paracumbá

Disputa na arena de vida ou de morte
A sorte lançada no brilho do esporão
No centro da rinha ele ganha e explode
Numa raiva danada ele come uma galinha
Ê Ê paracatum paracumbá

Ciscando na areia, comendo sujeira.
O galo é algo bem marcial
Garanhão general de penas coloridas
Numa aposta foi cego já não há mais saída
É triste ver sua crista caída
Ê Ê paracatum paracumbá

Faísca é o nome do galo citado
Sua fama correu por todo o estado
O olho que é cego segura a emoção
O inimigo comendo a poeira no chão
Ê Ê paracatum paracumbá

Vídeo incorreto?