Um dia uma menina me falou que tinha tudo
Morava num palácio com cortinas de veludo
Solidão, sobrenome Solidão
O pai ela só via às vezes no fim de semana
A mãe não se importava, cada uma vivia um drama
Solidão, sobrenome Solidão

Nenhuma lágrima rolou
Ela não tinha nada dentro pra sentir
Foi educada e treinada assim
E eu, frágil sonhador
Tendo a pretensão de ter o seu amor
Sem me olhar no espelho, sem saber quem sou

Um simples mortal desejando a princesa
Trancada na torre das grades de ouro
Chega na janela, joga as tranças pra mim
Que eu tenho um castelo de felicidade
Te levo pro reino do amor de verdade
Chega na janela, joga as tranças pra mim

Um dia uma menina me falou que tinha tudo
Morava num palácio com cortinas de veludo
Solidão, sobrenome Solidão
O pai ela só via às vezes no fim de semana
A mãe não se importava cada uma vivia um drama
Solidão, sobrenome Solidão

Nenhuma lágrima rolou
Ela não tinha nada dentro pra sentir
Foi educada e treinada assim
E eu frágil sonhador
Tendo a pretensão de ter o seu amor
Sem me olhar no espelho sem saber quem sou

Um simples mortal desejando a princesa
Trancada na torre das grades de ouro
Chega na janela, joga as tranças pra mim
Que eu tenho um castelo de felicidade
Te levo pro reino do amor de verdade
Chega na janela, joga as tranças pra mim

Um simples mortal desejando a princesa
Trancada na torre das grades de ouro
Chega na janela, joga as tranças pra mim
Que eu tenho um castelo de felicidade
Te levo pro reino do amor de verdade
Chega na janela, joga as tranças pra mim

Vídeo incorreto?