Sou filho de gente brava de paulista decidido
Parente de bandeirante que abriu sertão, homem destemido
E tem o nome na história de norte à sul conhecido
Eu sou dessa raça forte que abriu este São Paulo querido

Eu também sou dessa fibra sempre fui arresorvido
Aprendi tocar viola e pra fazer moda é com meu sentido
Violeiro que me conhece dá suspiro dolorido
Sabe que bater comigo é parada dura e tempo perdido

Eu já tenho arreparado nas festas que eu tenho ido
Quando eu bato a minha viola os campeão fica desenchavido
As casadinhas de novo esquecem até do marido
Coração pode ser duro, na hora dá suspiro doído

Já venci tantas bataia que até fiquei comovido
Não falo pra engrandê nem pra aparecê, não sou convencido
Só letra de moda boa tenho o caderno sortido
O meu nome corre mundo, peito de aço é meu apelido

Vídeo incorreto?