sempre sem sentir
olho o mundo
e me vejo só
beijo as sombras
que num momento
me adornam um sol
criar num refúgio
um deus em quem me acudo
enfim me acenar
as horas que sublimam o pensar
guiar rumo ao leste
a um céu que deserte
um filho ao tentar
sem asas, um livre voar


nem temporais verão alguma linha
pois já me retirei
se vendavais trarão alguma vida
que tragam em sordidez


fechar com flor
fechar inocente flor
bater com dor
bater inocente dor


tento reagir
ao silêncio que impuro forme
a tristeza que num flanco abrigar
o tesouro que oculta encobre
criar um dilúvio
que ordenhe ouro puro
do sangue a girar
em voltas perdidas no mar
que banha como vulto
o eterno tão confuso
que finge ao deitar
nas ondas, as ruínas do ar

Vídeo incorreto?