Onde cais, setembro?
Nos pingos que fazem alternar
O pesar que nega o frio
Ao riso convidar !
Entre raios que agitam
Serpentinas em luto
Entre elas o limite
Primavera negue a flor


Rente em ser, vai sem dizer,
O aroma onde está!
Mente em ser tão sã,
Ao dizer a festa como está

Calem, entre os ventos que
Te cospem o ar
Calem, entre os ventos que
Te cospem o ar encontrar setembro
Um ponto a alcançar
Na dormência que expande o
Brilho do oceano ao contar
Seus segredos de nascidos
Sente neles seu temor
Lado a lado com o risco
Que escreve seu amor


Temes ver ondas morrer
Na terra onde estás,
E vem dizer em conchas
Teu ser a terra como está


Calem, entre os peixes que
Te comem o ar
Calem, entre os peixes que
Te comem o ar

Vídeo incorreto?