O imaginário do luzeiro atracou no porto
E as fitas presas com barbantes nas barbas do tempo
A tarde solta, solta pipa nos dedos do vento

E a dança não cansa
De soltar a voz
De guardar em nós o amanhã

O imaginário do luzeiro atracou no porto
E as fitas presas com barbantes nas barbas do tempo
A tarde solta, solta pipa nos dedos do vento

E a dança não cansa
Pinta o céu de azul
E o universo nu veste luz

Vídeo incorreto?