"Ri da solidão, seu agasalho
Pronuncia um grito falho então

Descoberto, quase não se importa
Quando sai não bate a porta
Esperando ocasião"

gosto dessa música, e esse trecho acima me fala de nós indivíduos modernos (às vezes não sei se somos indivíduos e se somos modernos) envolvidos na trama às vezes amargas do viver: sempre cheios de sonhos e anseios temperados com receios e paranóias.

como é frio com o agasalho da solidão a porta fica sempre entreaberta pra entrar um vento que aqueça...

Vídeo incorreto?