É do concreto e não do além
O desconserto, o tempo só
Nem todo trato me convém
Ando calado e com vontade de querer
Parar tudo ao meu redor

O tanto certo é quanto tem
Se for discreto é bem melhor
Pior e muito é ficar sem
Contrariado na vontade de querer
Usar tudo ao meu redor

Não percebe o mal
Que a dormência atrai
E a ausência traz
Desconforto igual
Vai comprar o céu
Sem saber voar

Nem se importa mais
Haja tanto faz
Contra o que não tem
Grita por ninguém
Dorme além do bem
Ganha e fica sem
Não se satisfaz
Nem descansa em paz
Quem sabe um sangue novo hoje escorra por aqui…

Morto ele talvez repare
No porão de si e acabe
Desenhando algumas penas
Arcos, ares, outras cenas
Plano aberto prá voar
Nem se importa mais…
Talvez amanhã eu não esteja mais aqui
Amanhã talvez eu não esteja mais aqui

Vídeo incorreto?