caminhando entre veredas de corpos
eu me aperto, eu me sufoco
um cheiro de carne me cerca
dentro de um matadoro chamado cela

encarcerado, trancafiado, febre indignação
me trancaram no inferno que era pra ser meu
lar de recuperação

um molho de chaves me deixa de molho entre as grades
esqueceram de mim
me deixam de molho, me deixam no balde, me deixam
o fio da meada juventude transviada
e pouco a pouco o ódio vem tomando conta de mim
aqui estou eu
dentro da minha gaiola
como um coelho dentro da cartola
sem mágico pra me salvar

o medo e a raiva
a vingança engatilhada
a fome de rebelião
ninguém vem me tirar
algemas apertadas
pescoços na navalha
na beira do precipicio
ninguém vem me tirar
respiração sufocada
a tarja na cara
a voz alterada
ninguém vem me tirar
mas na manga resta uma carta
é falta na área
o jogo vai virar

cavando um túnel com colher
serrando a grade com lixa de unha
mas não adianta, fui eu que tranquei a grade
e quebrei a chave na fechadura

Vídeo incorreto?