Até ficas pálido
Com o seu rosto esquálido
E corpo movido
Sem sentidos ficas
Curva atrás curva a dentro
Que vestidos dediquei
Nem sei, o que faria
Se visse um dia
Passei uma noite consigo
Morreria extasiado, deslumbrado
Cairia para o lado,
Cansado de me babar,
E de especular
Retentar, tocar, deixar, sentir, fluír, curtir,
Todo o dia na cama, sem saír,
Perfeita, interior, sublime
E de exterior, esbelta,
Em discurso indirecto,
O que lhe disse na festa,
Vinho do porto e bombom,
Comigo é só relax,
Fecha os olhos
Abre a boca,
E eu acabo com o teu stress.

Um almorofe tomei a liberdade de por o mel
Deixa-me enxer-te o depósito
Como tivesse numa shell
De palavras embrulhadas em "mua".
Vem comigo
Aproveita o sabor
Nunca mais vais querer outro.
Tens ar daquelas gajas
Que gostam que lhes comprem roupa
Em lojas,
Com marcas caras e gorjas
E provas de acetatos
No meu aparato
Assemelha-se a gatos
E nortenhas-te no interior, no exterior,
Num despique.
Sou misturador de prazer,
Se me pedires,
Se me forçares
Não adianta 'tares aí a dar "ás".
Só mais um erro dos teus pares,
Mas não compares
É bom que repares,
Foste tu a começar com os olhares,

[REFRÃO]
Amor, como é que é,
Tá tudo, 'tás a curtir,
Amor, 'qué que se passa,
Tudo bem, 'tás a sentir?

Ah, Ah,

Diz lá em que ponto é que estamos,
Todos os meus manos,
Bazamos ou ficamos.
[REPETIR REFRÃO - 2X]

Todos gordos
Mas meninas
Ficam sempre na linha
Cinta fina
Perna desenhada
E pele genuína
Mulheres independentes
Não queiram só o "plim-plim"
O brilho do "gito"
Ao qual dariam um bom fim.
Acredito que sim,
Na boa, na pura
Mas querida,
O tremido no meu carro
Não dá sentido à tua vida.
Sou aquele das fotos
Dos clipes na TV,
Aquele que,
Se te portares bem,
Pode ser que dê.
O sinal vital
(Então, tudo bem)
Sabes que eu 'tou no flanco profissional,
Como ninguém.
Bazamos ou ficas a dizer segredos à amiga?
Pode ser que ela decida,
Só tenha de dizer siga.
Não há espiga,
É a velha cantiga,
Mais velha história de todas as vidas,
Vividas em balcões de tascas,
Refundidas,
Chavalas decididas,
Bem convertidas,
Querem sentir o meu toque de vida,
Eu sei,
Pouco ali do canto,
Eu vi tudo,
Também sei,
Que ouviste a minha música na rádio,
A prata da casa broca na brasa,
Bóca num Mazda,
O dia da ressaca,
Já sabes que vai ser em minha casa.
No dia a seguir ainda vais,
Querer dar-la,
E vou 'tar no tasco,
Não vou 'tár cá.
Desliguei o móvel,
Não quero mais,
"Bla", "Bla".
Não te vou mentir,
O dia de hoje é outro amanhã.

[REFRÃO]
Amor, como é que é,
Tá tudo, 'tás a curtir,
Amor, 'qué que se passa,
Tudo bem, 'tás a sentir?

Ah, Ah,

Diz lá em que ponto é que estamos,
Todos os meus manos,
Bazamos ou ficamos.
[REPETIR REFRÃO 4x]

(Bazamos ou ficamos)

[REPETIR REFRÃO - 2x]

Ó chefe, ó..., ó coleg..., ó maior!?,
'Tá a "oubir"?
Ó maganão! Num quero dessas sem-vergonhices na minha roulotte!
'Tás a "oubir"?
'Bá, bai-te encostar 'pa outro sítio!
Manguela do carago...
Ó mosso!?
Deixa a ga... ai...
'Dasse...
Deixa a chavala em paz, mosso!
'Tás a "oubir"?
"Oube" lá...

Vídeo incorreto?