Acordo todos os dias, vejo-me ao espelho
Sempre o mesmo, um pouco mais velho
O mesmo vagabundo, que vagueia no mundo
À boleia do vento e do orgulho
Amor próprio, ninguém mo rouba
Estou sóbrio, apesar da sombra
Apesar do fumo, apesar do escuro
Apesar da mentira neste meio duro, brilho
Que ostento, conquistei-o com talento
Trabalho e stress, depressão e esgotamento
No baralho um Ás fora ao relento
A lutar para mostrar aquilo que sinto
Não minto, não posso, o mundo é nosso
Um dia destes ecoará neste poço
O grito da independência, Alto!
A pulso puxei-me para o topo deste palco
Sangue, suor, lágrimas verto
Cada letra é como um testamento
Acredito na importância do que digo
Um dia vou querer ter um filho
Educá-lo, ensiná-lo, apoiá-lo
A procurar o seu rumo e encontrá-lo
Ajudá-lo no caminho da vida
A percorrê-lo de cabeça erguida
Dou o dedo do meio, não há respeito
Metem-me nojo, dão-me asco, moço
Acham que podem julgar o que digo, o que faço e o que
sou moço?
Só quero viver, o que me dá prazer
Quero ter, meios para fazer acontecer
Quero poder, continuar a escolher
Aquilo que eu quero fazer
Temos que ser, nós três a colher
Frutos das sementes, que pusemos nessas mentes
O mundo é podre, o amor é nobre
Não somos ricos, nenhum de nós é pobre

Refrão
O mundo é podre, o amor é nobre
Não somos ricos, nenhum de nós é pobre
A pura riqueza, é poder estar na vida
De cabeça erguida

Sete horas cair da noite escura
Lá fora consigo ouvir a chuva
Com a mão, pego na minha caneta
E com a mão, pego num papel
No coração, sinto-me um atleta
Na mente, sinto-me um génio profeta
Como o Toni Montana no Scarface, na última cena
Nada me pára nem choca, nem sara
Esta ferida aberta que dispara
É a minha boca que repara
Que reage por tudo que passara
Golpes sentidos, sofridos, para mim dirigidos
Por rostos escondidos, de inimigos que forem
reconhecidos
Podem crer que vão ser atingidos, por mim
Mas a que sabe a vingança, a nada sem fim
E pensa, que nunca acaba, pára ou chega
Só cega, condena e prega
Partidas, que a vida te reserva
Transformo a energia negativa
Em positiva, em vez de destruir
Lembrar que um dia o futuro há-de vir
Renovar, tudo tinha que cair
Não posso continuar a tentar reabrir
Cicatrizes, com actores e actrizes
Tempos menos felizes, afinal que dizes
É o que fazes, que realmente conta para
Dar a volta à revolta da vida
Num mundo que está podre, o amor é nobre
Não somos ricos, nenhum de nós é pobre

Refrão
O mundo é podre, o amor é nobre
Não somos ricos, nenhum de nós é pobre
A pura riqueza, é poder estar na vida
De cabeça erguida

Vídeo incorreto?