I get so much trouble on my mind
x4
Refuse the loose!

No outro dia eram 5 da manha na madrugada gelada
Ouvi chamar por mim numa voz meio assombrada
Não o consigo explicar, foi como um sério chamamento
É tarde no cemitério, só agora é que me lembro
O rio corria, como outro dia, bonita a noite seria
Se não tivesse voado pró vácuo que a sentia
Caí em mim quando senti a água fria, gelada
Pedi aos anjos da guarda, que atrase a minha fada
Fado que falo lentamente como câmara lenta
Descreve a paisagem que á minha volta se apresenta
Gaia dum lado, o sino do mosteiro a espreitar
Doutro a ribeira, ameaçar, começar a chorar
Flashes repetitivos, episódios da minha vida
Passaram-me pelos olhos como numa objectiva
Reflectidas na água, imagens de amigos e inimigos
Momentos de sorte e azar, como espelhos partidos
Pensei "porque saltei?", carreguei na pausa, pôe pa trás
Tarde demais! Com o destino não há tratados de paz
Passados pa trás das costas, machados enterrados na terra
Não há trégua, partido, não há lei sem regra
Nas trevas penetrei, caras familiares encontrei
Sentei-me no meio de gente amiga, improvisei
Senti movimentos a mais, turbolências anormais
Tocado fora pelas mãos de arcanjos reais
Estava em pérolas de suor, acordei no meu quarto
Drogado pelo sonho pensei "desta merda tou farto"
Não parto, pari ideias pa escrever esta letra
Cujas raizes estão ligadas entre a mente e a caneta
Será a minha vida um verso, ou escreve-los a minha vida?
Ou será que na minha realidade tudo se move em poesia?

I get so much trouble on my mind
x4
Refuse the loose!

No outro dia sonhei que não sonhava, parecia um pesadelo
Um sonho tão estranho que eu não consigo esquecê-lo
As minhas mãos já não tocavam, em vão procuravam
Os olhos não viam enquanto memórias se apagavam
Meu corpo sentia que a mente perdia toda a força
Compreendia agora que a morte seria a minha esposa
Temia e combatia ainda o estado em que estava
Restava na alma a esperança que o coração não bombeava
Gelava na veia, que me apertava sangue que se cansa
De dentro para fora, um arrepio frio avança
E pára tudo, pára, numa calma celestial
Já não há capacidade de lembrar o trauma inicial
Já não há vontade, já não se é, deixa-se de ser
Assim contado ainda é mais dificil de entender
Talvez seja melhor, porque é sórdido ou mórbido
Pois depois não faz sentido procurar um antidoto
Ou a fórmula de voltar pa trás, se alguém disso for capaz
Nada se pode fazer, enquanto se viver nada se faz
Tudo isto pensei cortar, encharcado em suor
Não esquecerei o que sonhei, estas palavras sei de cor
Espero e por onde espero, vou contando tudo
Até um dia em que a noite trará o eterno escuro
Hoje já não durmo, aguento, amanha descanso
Evito, vejo, não repito este sonho intenso

I get so much trouble on my mind
x4
Refuse the loose!

Vídeo incorreto?