Água de cana, alma do satanás,
Setenta capeta não faz o que a pinga faz,
Desce pinga o buraco sem fim,
E que não encontre "fígu" nem rim,
aceita "estâmu", que é leite.

A "marvada" pinga que corre nas veia,
Dissolve as tripa, sapeca o "estâmu"
E dizima as lumbriga
E nesse ponto até que é bom
Mas tirando esse ponto a coisa é feia
Deixa a cara inchada e "vermeia"
Faz o homem dormir na escada da igreja
E não deixa ele entrar de vergonha.

(Uai, Frango, por que que cê bebe?)


É que a Zenaide me largou
Não esqueço do cheiro e nem do sabor
Não esqueço o dia em que tudo começou
E pra parar com isso eu mergulho na pinga
E do jeito que eu tô não vai sobrar mais nada
Pra contar história
E o pior é que eu acho que é isso que eu quero,
Eu troquei a Zenaide por pinga

A "marvada" pinga que corre nas veia,
Dissolve as tripa, sapeca o "estâmu"
E dizima as lumbriga
E nesse ponto até que é bom
Mas tirando esse ponto a coisa é feia
Deixa a cara inchada e "vermeia"
Faz o homem dormir na escada da igreja
E não deixa ele entrar de vergonha.

(Uai, Toiço, por que que você bebe?)

É que a Zenaide me largou
Não esqueço do cheiro e nem do sabor
Não esqueço o dia em que tudo começou
E pra parar com isso eu mergulho na pinga
E do jeito que eu tô não vai sobrar mais nada
Pra contar história
E o pior é que eu acho que é isso que eu quero,
Eu troquei a Zenaide por pinga

Vídeo incorreto?