(Aonde você vive? Olhe a seu redor....Pizzol 360 graus)

Chuva pesada ou profundo alívio
Agrega dores fecha os olhos e trás o fascínio
Ambiciosos , desbravadores , sugam o vício
Última vaga pra remanesce desde o ínicio
Por um desejo isolado que desperta ira
São ossos do ofício esconde marca na retina
Se junta calma e culpa pra forma essa ferida
É a presa preferida sem desculpa torna aflita
Anfitrião do medo , conhecedor do susto
Resume seu contexto , ignorando custo
Clama por paz proclama guerra queto permanece
Felicidade ou tristeza a tempo se esquece

Nas paredes não importa qual o turno
Escorre levemente o pesado importuno
Cria afeto , cede sustento
Cautela ao fragmento que se espalha com o vento , a qualquer momento

Controvérsia se extende sempre ao mais sábio
Julgado pela virtude torna-se mais hábil
Nesse contraste eu me vejo como trauma que desperta
História uma escrita , assim se interpreta
A instrução básica , antes de deixa a terra
Erradica toda calma num buraco que prospera
Enriquece os arpejos purifica como mantra
Gentilmente oferece todo tipo de alma santa
Raridade obscura disputa por homenagem
Lutamos entre si , não existe lealdade
A pergunta que não cala é onde cabe tanto risco
Fim do mundo? Eu explico onde cabe tudo isso

No paraíso incomum , pro descabelo
Aonde um triste sonho não se iguala ao pesadelo
Mais alto patamar você vai se encontrar
Difícil se guia , fácil pra tropeça

Cria beleza eternizada maravilha aliada
Vocação pra clientela nova ação orientada
Rogarei por valor , que o brilho não se perca pra curar qualquer dor , pra livrar-me da dor

Vídeo incorreto?