Nascer, viver, vender, comprar
Comer, beber, morrer, chorar
Já nasceu devendo, só vivendo pra pagar
E a dívida com a gente diz quem é que vai quitar

Vão quitar ou não hein? ouve ai

Tudo mundo é livre pra sonhar
E realizar também
Ter dinheiro pra poder comprar
Isso te faz tão bem
A gente paga e se ferra
Faz em trocentas parcelas
Economiza quase zera, também pudera
O carnê vale mais que o rg
E você tem que ter pra ser
Não basta crer, você tem que acre-cre-cre-ditar
A felicidade perto da sua mão
Não precisa ter dinheiro faz uma prestação
Compra agora corre aproveita a promoção
Com desconto paga a vista ou então no cartão
Propaganda prato cheiro qual que você quer?
Volks, fiat, chevrolet
Sony, philco, cce
Adidas, pulma, nike air
E as pessoas sempre presa em alguma empresa
Tiazinha, vítima de gentileza
Foi pega, pelo comercial da tela
Alegria dividida em 24 parcelas
Já era
Aposentadoria dela já era
Já era
Desconta direto na conta
Não espera, não tem boi
O banco cobra nem que for na marra
Não passamos de um número, de um código de barras

Rapadura:

O nordestino vai, vai, vai, vai, dividas reais, duvidas iguais, juros anuais, só aumentam mais vai, vai, vai, vai, impostos mensais, ataques brutais, salário que vai não volta jamais, conta de agua e luz renda que reduz, leva todo meu empenho e tudo que compus, se alimenta do que tenho cobra desempenho, lucro não contenho seu desenho vai fazendo jus saldo negativo pro trabalho brasileiro que dá duro o mês inteiro e não vê nada no final, não vê um real, crime ideal, juro imortal, desconto atual tira nada no total bem material que vai extraindo o alimento, pagamento é um arrebento, movimento desigual, rendimento violento sufocando o sentimento de quem trampa todo tempo o fundamento é igual. pra que os sonhos se calculem, horas extras que me saem, quantas vezes se concluem, tarifas que sobressaem, sempre traem trabalhados vitrines que distraem, reprodutoras de brindes que te atraem te contraem, vendem mais, nunca caem, além do imposto que é imposto pelo seu oposto que não mostra o rosto ao povo fez um aborto depois que foi posto em cargo exposto pouco foi composto gasto com conforto sem saúde sem esgoto, cadê o nosso dinheiro investido na educação, sem escola, sem emprego, fonte de alimentação, pago muito em transporte, mas não tenho condução, pago sem ter condição, pra, beber, comer, dever, viver, correr, fazer, morrer, querer, e não poder, ordem e progresso tá difícil de ver esse processo pro regresso sem ação sem poder, por quê? cobra dívida da historia com juros de quem explora, escravatura de outrora, não venderam a memoria, ora, trabalhos rurais imigrantes fazem mais pelas suas capitais, concretizam ideais, constroem mais que sonhos e centrais, são expulsos como intrusos com a roupa e nada mais, vai, vai, vai, vai, e a nossa divida sem preço, isso é o começo da nossa cobrança, rapadura não descansa, em andanças, encurtando a distancia e gritando a importância de quem quer mudanças.

Vídeo incorreto?