Sinal, signo estrelado.
Estrela armada em seis pontas.
Faz meu destino e desfaz,
Quem acredita da paz
Da vida comprada pronta.

Corre estrela, não me esperes.
Apaga tudo o que ilude.
E dá-me enorme saúde
Do imenso amor das mulheres.

Sinal, estrelado signo,
Estrada de Santiago.
Mata de morte violenta
Quem inventou e ainda inventa
Trabalhar e não ser pago.

Mostra teu humano brilho
Pra quem se encontra em prisão,
E pra quem canta no exílio
Aquela velha canção:

"Mandei fazer um navio
De pinho do Paraná.
Sai da baía do rio
Quando eu puder navegar.
Em cismar sozinho à noite
Mais prazer encontro eu lá.
As aves que aqui gorjeiam
Não gorjeiam como lá".