Imagino a cena com muita tristeza
Jesus e os doze naquela mesa
O cenaplo estava preparado
Para festa dos pães asmos

Jesus disse um de vós há de me trair
Assustados todos se indagaram
Sou eu senhor? Serei eu senhor?
Os doze se perguntaram

É um dos doze que come da minha mesa
Eu imagino que Jesus falava com tristeza
Com grandeza o pão, nem ao seu traidor
Ele negou, mestre, mestre
Ainda que seja necessário, morrerei por ti
Mestre, mestre, de modo algum te negarem
Todos diziam assim

Doze homens naquela mesa comeram do pão
Beberam do vinho servido pelas mãos
Que foram marcadas pela dor
O pouco era o pão que foi partido lá na cruz
Ferido e açoitado foi nosso Jesus
Pra nos dar vida e salvação
O vinho era o sangue que foi vertido lá na cruz
Sangue inocente derramou Jesus
Bebeu vinagre, baixou afronte e disse consumado está
Mas ao terceiro dia o cordeiro pascoal reviveu
E quem estava morto foi quem o vendeu
Porém os onze viram ressuscitado o filho de Deus

Mestre, mestre
Ainda que seja necessário, morrerei por ti
Mestre, mestre, de modo algum te negarem
Todos diziam assim
Mas a igreja adora em fidelidade
A igreja adora a sua santidade
A igreja exalta aquele que venceu
Ressuscitou, ressuscitou o filho de Deus
Mas a igreja reconhece a tua vitória
A igreja te exalta e te da glória
Mestre, querido mestre

Mestre, a igreja te adora
Mestre, a igreja te exalta
Mestre, a igreja te engrandece
Mestre, a igreja glorifica
Mestre, a igreja te adora
Mestre, a igreja te exalta
Mestre, a igreja te engrandece
E te glorifica, e te glorifica
Mestre!

Vídeo incorreto?