O beat vem do cajón, o bonde leva na palma
Sopra a gaita, larga o dedo no violão
É nós, Amálgama
Nada é em vão, fazer um som com os irmãos
É só uma questão de alma
Dropa no pulmão, não tem microfone, acorda
Cara feia é fome, otário não joga
Toda terça tem rima, to no Farani, infame
Atrás do prédio Argentina, cola!
Somos poucos, raros, fodas, loucos, falhos
Somos do caralho, são várias rodas
São Cristóvão, Copa, Lapa, se tu quer, vem
Saiba que os sonhos não envelhecem
Muita calma irmão, muita calma
A cena está no ar, chegou, veio pra ficar
E quanto menos eles nos ouvirem
Muito mais e melhor nós vamos cantar

Circuito carioca de ritmo e poesia
É nós por nós

A geração da harmonia sincera
Sem afeição à velha competição
A regra é só uma exceção
Artéria pulsando o dom
Bactéria que invade a matéria através do som
Muito além da visão, nem fala em divisão
Convicção vem na convocação
Sem vocação pra média, é de coração
Perde a ilusão de que "não virou"
Nós que temos as rédeas
Quem se identificou
Quando sentiu, ficou, curtiu, multiplicou
Quem resistiu, pensou e uniu
Na multidão (minha gangue) sangue do meu sangue
Envolvido nesse bang igual caranguejo no mangue
É por amor, por nós, nosso valor
Seja onde for, o bonde solta a voz: é nós por nós!

Vídeo incorreto?